25/10/2005

A formiguinha produtiva - uma fábula sobre o retrato de um país conhecido?

Era uma vez uma formiga, feliz e produtiva, que todos os dias chegava cedo ao seu trabalho. Passava o dia a trabalhar com alegria e até cantava, tal era a sua felicidade. Sendo feliz, o seu rendimento era excelente. Mas não dependia de um director de serviços.

O Vespão, presidente da empresa, considerou que a situação já não era suportável e criou um posto de director de serviços.
Recrutou a Joaninha, com muita experiência.

A primeira preocupação da Joaninha foi organizar os horários de entrada e saída da formiga, criar um serviço de gestão para o trabalho da formiga e ficheiros informáticos.
E rapidamente necessitou de uma secretária para a ajudar.


Recrutou uma Aranha, que organizou um sistema de classificação, sendo ainda encarregue dos telefonemas.
Entretanto a formiga feliz e produtiva trabalhava, trabalhava, trabalhava!

O Vespão, presidente da firma, cada vez mais feliz, encomendou um estudo comparativo, com gráficos, de análises de tendências à Barata, e para isso, nomeou-a coordenadora.

A formiga, feliz e produtiva, começou a baixar o seu ritmo de trabalho, queixando-se que perdia muito tempo com toda a papelada que lhe era exigida.

O Vespão, presidente da firma, considerou que era tempo de tomar medidas.
Criou um posto de chefe de divisão para controlar a formiga, feliz e produtiva.
O posto foi atribuído à Cigarra.

A primeira decisão da cigarra foi mudar todo o mobiliário do seu escritório. Exigiu uma cadeira ergonómica e um novo computador.
A nova chefe de divisão, por sua vez, começou a sentir necessidade de ter um adjunto para preparar o plano estratégico e o orçamento para o novo serviço.

O tempo passava e a formiga começou a ficar menos feliz e sobretudo menos produtiva.

Cigarra achou necessário encomendar um estudo sobre o clima social na empresa.
O Vespão, presidente da empresa,
ao examinar os gráficos do rendimento do serviço da formiga, feliz e produtiva, apercebeu-se que esta já não era tão rentável como antes.


Recrutou então os serviços de um prestigioso consultante, o Mocho, para fazer um diagnóstico da situação e encontrar soluções.
O Mocho esteve em comissão durante 3 meses na empresa, ao fim dos quais entregou um relatório ao Presidente.


O relatório concluía que havia funcionários a mais no serviço.
Perante tal facto o Vespão, presidente da firma, seguiu as recomendações e despediu a formiga.

Moral da história:
Evita seres uma formiga feliz e produtiva.
Mais vale ser incompetente e não servir para nada.
Os incompetentes não precisam de contrôle. Todos sabem que são incompetentes.
Se és produtivo, não mostres a ninguém que és feliz no teu trabalho, porque ninguém vai perdoar a tua felicidade.

Se teimas em ser a formiga, feliz e produtiva, cria a tua própria sociedade, assim não serás obrigado a alimentar o Vespão, a Joaninha, a Aranha, a Cigarra, o Mocho e a Barata.


A história é baseada em estudos científicos feitos por universitários que demonstraram que a maioria dos seres humanos tem tendência a transformar-se em carneiros.

2 comentários:

IC disse...

:))))
;)

brit com disse...

eheheheheheheheheh